domingo, 31 de janeiro de 2010

Tarde de Domingo


http://3.bp.blogspot.com/_6cQSwRxzx0g/SXykjeEP6jI/AAAAAAAAGGA/yeA5eaTvydw/s400/Domingo+Inverno+25.1.009(6).JPG


Procuro o sol numa tarde calma e cinzenta,

onde as nuvens teimam em aparecer.

Espreitando, ou vendo-as adormecer,

o Sol se esgueira, nos toca e nos sorri.

De frente para o mar, mar de vida,

fonte de inspiração, convite ao lazer,

um sorriso, um aceno, uma voz de mulher.

Não, não é sereia, nem deusa do mar,

é bela sim, mas de ternura e encanto,

onde a simplicidade faz espanto,

e seu sorriso, são raios de Sol no olhar.


Tarde de Domingo, tarde de Inverno,

momento calmo, de reflexão...

Algures perdido entre a terra e o céu,

implorando o Sol das tardes de Verão,

Tua voz, um sorriso que não desvaneceu,

encontros doces... fora de estação.

3 comentários:

  1. Alex
    " aos domingos as ruas estão desertas
    e parecem mais largas.
    Ausentaram-se os homens à procura
    de outros novos cansaços que os descansem..."

    Lembrei desse poema de Antonio Gedeão etenho pelas tardes de domingo o mesmo olhar - as ruas mais desertas e um ar lânguido e preguiçoso.
    Na tarde que seu poema retrata - o sol esgueira-se e toca nossa pele frente ao mar.Esse é um momento inspirador e nos leva a ver sorrisos como os proprios raios de sol e quem sabe encontros ainda a vir como vem a nova estação!
    fico aqui a desvendar seus versos, náo sei se gostas. rsrs me ajuda a curtir a tardezinha desse domingo de sol quente que ainda joga sua luz por sobre os edificios.
    Uma boa semana com abraços

    ResponderEliminar
  2. Um poema lindo que aquece estes dias de inverno!
    Um beijinho.

    ResponderEliminar
  3. Belissimo texto, um lindo poetar, parabéns - estou seguindo você, depois siga-me, abraços do ALBERTO ARAUJO

    ResponderEliminar