segunda-feira, 10 de março de 2014

como um rio...



como um rio
que em desafio
segue entre margens,
como um barco
remo a remo
contra a corrente,
teimosamente
lanço amarras
onde nada me prende...

ao longe,
uma estrela cadente
e mais mil a brilhar
num céu infinito e presente...

num olhar sereno,
ausculto a alma
e não vislumbro paz...
nada a satisfaz...
tanto luto..tanto enredo...



4 comentários:

  1. Meu querido Alex

    Mais um belo e profundo poema...procuramos sempre mais.

    Beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  2. Ah ,os rios ! sempre temos um pra recordar!
    Inicia com um fiozinho discreto e vai formando grandes lagos e mares...
    Lindo poema Alex, obrigada.
    deixo abraços e desejo ótima semana

    ResponderEliminar