domingo, 4 de agosto de 2013

num papagaio de papel...


esbati tua imagem, colorida,
sobre folha de papel de ceda.
dessa folha, imaginei um papagaio,
sem asas, voando no céu
ao sabor do vento e da minha imaginação.

dei-te corda, vida, liberdade,
e tu voaste cada vez mais alto,
longe de meu olhar, da minha razão,
procurando outros ventos
outros passatempos, noutra estação.

ficaram tristes meus olhos,
e a parede, que sonhava com tua imagem...
alegraram-se os anjos e o sol
por te terem ali, e não, não era miragem,
eras mais uma estrela na noite, em viagem...




3 comentários:

  1. Ola Alex,
    sua poesia e tao comovente, um sufle de liberdade... e saudade, me inspiran suas palavras.
    Beijos.

    ResponderEliminar