sexta-feira, 18 de outubro de 2013

a voz...




a voz...
a tua voz,
a sonoridade de tua voz
no silêncio das paredes,
nas veias de meu corpo,
no ímpeto de minha alma...
e tudo flui em calmas águas,
tal e qual uma casca de noz...




2 comentários:

  1. Tal qual a fragilidade das palavras dos sons e da tua voz que não escuto. rs
    abraço Alex

    ResponderEliminar